segunda-feira, 12 de março de 2007

A hora do povo

É chegada a hora
De o povo pegar as armas
Mas não aquelas tão usadas
Que destroem vidas, famílias e casas

É chegada a hora
De o povo começar a pensar
Mas não nos mesmos assuntos repetidos:
Futebol, sexo e vestidos

É chegada a hora
De o povo fazer algo novo
Mas não a novidade tradicional:
Viajar em família, passar na praia o Natal

É chegada a hora
De o povo pensar no próximo
Mas não no próximo programa
De televisão, do fim de semana

É chegada a hora
De o povo fazer caridade
Mas não uma medíocre esmola:
Encher de pão e roupas velhas uma sacola

E antes que o povo reclame
Que eu não disse o que fazer
É chegada a hora de o povo
Ligar o cérebro ao resto do corpo

5 comentários:

Alessandra disse...

É simplesmente genial!
O Bruno é o cara, O artista, O genio!
teus textos são demais, envolvem e comovem o leitor!
Achei demais, grande pessoa!
Te admiro taaanto, cada dia mais! ;]
Amei teus textos, continua assim meu artista!
Parabéns!

Daniel Fernandes Vieira disse...

Muito bom!
sensacional o texto!
totalmente revolucionário e pensante!

abraço!

Otávio JC Duarte disse...

Maravilha de texto !

Johny Farias disse...

Belo texto Bruno, é isso que falta mesmo, menos TV e mais realismo.

Abraço cara!

A Fernanda disse...

Interessante esse texto... mas tenho questionamentos. Qdo tiveres um tempinho, me chame no msn.