segunda-feira, 16 de abril de 2007

Dolorosa despedida

Como que de repente, uma sensação estranha em meu interior parece avisar-me da proximidade de nossa despedida...
Desta vez, não é mais um alarme falso, movimento indeciso de quem precisa partir, mas parece não querer desvencilhar-se deste corpo que um dia lhe deu abrigo; desta vez é real... é chegada a hora.
Recosto-me, tentando em vão encontrar uma posição cômoda para realizar tal feito, às vezes rápido e direto; outras, tão sofrido e demorado. Faço força, suo e descubro que o processo será longo e parcial...
Após algum tempo – para mim uma eternidade -, intercalado por períodos de discussões, silêncios e lamúrias, percebo que tudo finalmente acabou. Levanto-me, misturando desgaste (físico e emocional) e alívio e, firmemente decidido, aceno para dizer-lhe que vá.
Desfaço-me, então, dos resquícios insistentes da nossa despedida, que conseguem ainda causar-me certo desconforto, e decido tomar um banho, a fim de livrar-me completamente de sua essência.
Por vezes, ainda sinto seu cheiro no ar. Ao meu lado, provas de que não sou o único a passar por essas situações... Lenços de papel, dobrados ou amassados, são as últimas lembranças materiais de uma relação curta, mas marcante.
Ao menos, me resta a certeza de que amanhã será um novo dia, e tudo poderá fluir de outra maneira...

11 comentários:

Nanda Seixas disse...

Bruno cara parabens vc é muito bom!!!

Compare o texto como uma obra de arte, com uma pintura o artista expressa seus sentimentos através dela. Com a música acontece o mesmo.
Por isso se exponha, escreva, mostre a você quem você realmente é. "

bjsssss

kakah_gm disse...

nossa..
ficou muito bom mesmo!
até parece escritor profissional ;)
e vamos deixar as coisas fluir..
ela nao seraá a ultima
hehhehe
beijos, e parabéns!

Uma borboleta amarela disse...

Tu sabe bem que eu gosto do que tu escreve.. e eu gostei do texto!!
e tb não sei quais palavras usar e nem mesmo o que comentar...
Me sinto um tanto inferior em se tratando de usar palavras, de usá-las de forma bonita!!
Pra mim tu faz isso bem d+!!!
Tu é uma pessoa mto culta e essa coisa toda e pra mim tu tá no caminho certo!!!
É só aperfeiçoar e aperfeiçoar e ir dizendo o que tem a dizer!!!


Meu mais novo preferido irmão mais novo e futuro grande astro!!!!!

Já sou tua fã!!!
e futura empresaria!!!
clarooooooooooooooooooo

Eunice disse...

Este texto é muito bom!!! Lírico, romântico, poético, enigmático, assustador, até...
Só tem uma coisa que me incomoda: estás querendo me superar... mas tudo bem, filho é filho e a gente deixa que tome o lugar e siga em frente... trilhe o caminho que não fizemos... Boa sorte, amor!!! Bjs

Johny Farias disse...

Show de bola Velho.

Nesse texto estás se libertando de algo, igual a música do Raul "Medo da chuva", muito interresante cara.

Abraço

Johny.

A Fernanda disse...

Mas q ótimooooooooo. (mtos aplausos!!!!!!!)

Gostei por demais... inclusive jah pensei em criar um argumento a partir daí... (ah, eu querendo me aproveitar da criatividade alheia...hauahuahuahauhauh)

Mas a mulher não morreu né? =O

Daniel Fernandes Vieira disse...

A fuga dos textos de protesto!
kkkkkkkkk

Ficou mto bom cara! muito expressivo e sincero!

Abraço

Dan Cruz disse...

Muito bom Cara!

Totalmente libertário esse texto.E ao mesmo tempo mostrando seus sentimentos.

Parabéns!

Otávio JC Duarte disse...

Isso é que eu chamo de uma cagada poética !!

hamilton disse...

Parabéns por este texto e outros que escreveste, tens a capacidade de envolver o leitor, tens um humor acentuado e uma sensibilidade peculiar! sou amigo do Otávio, grande amigo e produtor nas horas vagas da Só Creedence!
Este texto em alguns momentos me fez pensar em nascimento! Tracei um paralelo com um útero, mas certamente viajei!
No mais continue sempre com estes textos ricos em interpretação! Obrigado
Hamilton Felix

Otávio JC Duarte disse...

Escreveu esse e ficou na berlinda do sucesso. E os outros, quando vão sair pelo caminho da dolorosa ?